Contador Ciclistas 01

Esta semana conhecemos alguns projetos do Prodam, que responde a Secretaria de Gestão do município de São Paulo. O projeto mais interessante é o contador de ciclista.

Instalado na Faria Lima, ele conta a quantidade de ciclistas (e carros) que passam na avenida. Ele identifica vultos, ou seja, não consegue identificar pessoas ou placas.

Com as análises, é possível verificar bem o uso da bicicleta para ir e voltar do trabalho, assim como para o lazer nos finais de semana.

É um projeto experimental. Importante para mostrar o que pode ser feito com muito pouco investimento.

Agora, este mesmo sistema pode ser melhorado e adaptado para ser usado pelo Detran para monitorar fluxo e volume de tráfego nas ruas e avenidas.

É muito mais eficiente que o método que é usado há décadas, com funcionários usando binóculos, cronômetros e rádios no topo de prédios.

Saber que isso é feito assim até hoje é frustrante, e justamente por isso este tipo de iniciativa — que a princípio parece amadora e perda de tempo — é tão importante.

Ela não apenas dá exemplo para todos que é possível fazer mais com menos, como poderá ter um case real muito em breve.

Para uso em escala, o sistema precisa ser melhorado. Para fazer isso existe custo. Mas lembrando que qualquer solução adotada pode ter problemas (possíveis desvios, burocracias e erros de planejamento), se o Detran adotar a solução será muitas vezes mais barato que a solução que estavam para adotar.

A solução proposta antes do Prodam mostrar seu protótipo visava instalar lombadas eletrônicas (o mesmo sistema que é usado para multas). Além do custo financeiro da lombada ser muito maior, tem o custo de instalação e o impacto no trânsito para realizar obras de instalação e manutenção.

A tecnologia.

O sistema conta com um Arduino, sensor de umidade, pressão e temperatura, uma webcam e um PC.

Claro que a solução final pode simplificar muito esta estrutura, eliminando ou substituindo componentes (como o PC ou o Arduino) e tornando ela mais prática (compacta e baixo consumo de energia), mais barata e mais eficiente.

Para o sistema de imagens, usaram as libraries do OpenCV, projeto de código aberto com mais de 2.500 algoritmos prontos para explorar a visão computacional e identificar mudanças na imagem.

O código está disponível e qualquer pessoa pode mandar melhorarias e sugestões.

Procurar