Pilula

O FDA aprovou a fabricação do primeiro remédio produzido em impressão 3D. A Spritam é uma droga usada no tratamento de epilepsia e deve chegar ao mercado em 2016.

Chamado de ZipDose, o método não é apenas prático, mas melhor que outros. Consegue alcançar altas doses (1000 mg) e com maior poder de desintegração médica (dissolver quando ingerido). Por ser fabricado em impressora 3D, já poderia produzir pílulas com formulações personalizadas para cada paciente.

As patentes da Aprecia, fabricante do medicamento e proprietária da tecnologia, vencerão em 2033. Acredito que até lá, eles devem licenciar a tecnologia para que os hospitais consigam realizar a impressão deste e de outros medicamentos em casa. Em todo caso, é possível dizer com certa segurança que em 18 anos poderemos fazer isso em casa. É tempo suficiente para evolução e barateamento da tecnologia.

Isso legalmente falando. Ilegalmente, sabemos que isso pode acontecer antes, inclusive para criação de novos tipos de droga.

Ricardo Cavallini

Fundador do Makers Brasil.

Procurar